Introdução

Locais de ocorrências

Classificação cientifica

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Perissodáctila
Família: Tapiridae
Género: Tapirus

Atualmente existem catalogadas quatro espécies de antas no mundo.

Lowland tapir ou Tapirus terrestris
Malayan tapir ou Tapirus indicus
Mountain tapir ou Tapirus pinchaque
Baird’s tapir ou Tapirus bairdii

A Anta-brasileira ou Tapir (do tupi tapi'ira). pertence à espécie Tapirus terrestris. Mede 1,10 metros de altura e 2,20 (a fêmea) ou 2 metros (o macho) de comprimento. Pesa cerca de 250 quilogramas. Ocorre na Amazônia, no Cerrado, na Mata Atlântica e no Pantanal. Sendo o maior mamifero terrestre que ocorre em nosso País e na America do Sul.

O T. terrestris é encontrado também na Argentina, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname e Venezuela - ou seja, toda a América do Sul exceto Uruguai e Chile.

Segundo a Lista Vermelha da IUCN seu estado de conservação é "vulnerável" (VU), mas a anta se encontra "criticamente ameaçada" (CR) em alguns estados brasileiros, como Paraná e Minas Gerais. O tipo de ameaça que sofre é a destruição de seu habitat, a caça, o fato de as populações estarem isoladas e em declínio. Além do homem, são seus predadores a sucuri e grandes felinos.

A anta É um ungulado (mamífero com cascos com estrutura feita de queratina) que tem número ímpar de dedos.   Os membros são curtos, com quatro dedos nos membros anteriores e três nos posteriores, todos providos de pequenos casco.

A característica mais distinta da anta é sua narina, longa e flexível, que parece uma pequena tromba. Possui corpo robusto, cauda e olhos pequenos, crina sobre o pescoço e coloração marrom-acinzentada.

Alimenta-se de matéria vegetal (folhas, frutos, vegetação aquática, brotos, gravetos, grama, caules) que é digerida graças à presença de microorganismos que vivem em seu aparelho digestivo.

Possui hábitos noturnos, porém também pode realizar atividades durante o dia. Quando vive em florestas, costuma usar trilhas já abertas, o que a torna mais vulnerável à caça.